Destaque

Datafolha: cada vez mais brasileiros estão contratando arquitetos e urbanistas

Cada vez mais pessoas estão contratando arquitetos e urbanistas no país. Hoje, 10 milhões de brasileiros já utilizaram os serviços desses profissionais. O número representa 10% da população economicamente ativa. Em 2015, o índice era de 7%. Significa que cerca de 3 milhões de pessoas a mais passaram a contratar arquitetos e urbanistas para obras de construção, reformas e outros serviços.

A constatação é de pesquisa recém realizada pelo Instituto Datafolha com exclusividade para o Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil, com o objetivo de atualizar as informações sobre os hábitos de construção da população brasileira.

Dentre 50 milhões de brasileiros que já fizeram obras de reformas ou construção, 82% não contrataram serviços de profissionais tecnicamente habilitados, arquitetos ou engenheiros.  São obras irregulares, sem registro de projeto e execução junto aos órgãos competentes. O percentual diminuiu em relação a 2015. Na época, uma primeira pesquisa constatou que 85% dos brasileiros não contaram com o serviço de um arquiteto ou engenheiro. 

De 2016 a 2021, serviços de arquitetos e urbanistas cresceram quase 20%, passando de 1,4 milhão para mais de 1,7 milhão no ano passado. O crescimento vem acompanhado do grande aumento de profissionais atuando no país e de diversas ações de valorização profissional realizadas pelo CAU Brasil e pelos CAU/UF.

CLIQUE AQUI PARA ACESSAR HOTSITE SOBRE A PESQUISA

Mestres de obras e pedreiros são a opção mais usada por quem constrói ou reforma no Brasil.  Trata-se de um caso clássico do “barato que sai caro”, conforme o CAU Brasil descobriu por meio de uma pesquisa qualitativa realizada também em 2015. Grande maioria dos entrevistados disse que a experiência foi ruim, por uma série de problemas: planejamento (como dificuldade em orçar a obra), mão de obra (muitas vezes o serviço tem que ser refeito) e material desperdício de materiais.

A maioria considerável dos entrevistados em 2022 (84%) considera que problemas construtivos (falta de pisos ou forros, paredes rachadas, ausência de banheiro, muitas pessoas ocupando um mesmo cômodo) nas moradias configuram uma questão de saúde pública, como ficou evidente na epidemia da Covid-19. O Brasil tem hoje 25 milhões de moradias precárias, segundo a Fundação João Pinheiro.

 

“Os números são preocupantes para a segurança e a saúde da população”, afirma a arquiteta e urbanista Nadia Somekh, presidente do CAU Brasil. Ela lembra que tragédias como desabamento em abril de 2019 de dois prédios construídos irregularmente na comunidade de Muzema, no Rio de Janeiro, causando 24 mortes, também ressaltam o quadro grave existente por detrás dos percentuais mostrados pela pesquisa. Da mesma forma o desabamento em junho de 2021 de um edifício de quatro andares na comunidade de Rio das Pedras, também no Rio de Janeiro, causando a morte de pai e filha.

12/04/2021: dois prédios construídos iirregularmente desabaram na comunidade de Muzema, no Rio, matando 24 pessoas

 

03/06/2021: um edifício de quatro andares desabou na comunidade de Rio das Pedras, na cidade do Rio de Janeiro. Um homem e uma criança ―pai e filha― morreram e quatro adultos foram resgatados com vida.

De igual forma, as recentes tragédias de Petrópolis, com 233 mortes, e Franco da Rocha, com 32 mortes, não deixam de estar relacionadas ao quadro, em que pese outros fatores relevantes como a chuva excepcional, a falta de um planejamento urbano integrado e a negligência do poder público quanto à ocupação de morros. 

“Fica evidente que a questão habitacional no Brasil não se resume apenas à construção de novas habitações ou a transformação de imóveis ociosos em moradias. O país precisa de uma solução de escala para a melhoria das habitações já existentes, especialmente nas periferias e bolsões de pobreza dos centros das cidades”, afirma a presidente do Conselho em artigo publicado pelo Portal do Estadão em 25 de maio de 2022.

A assistência técnica em habitação de interesse social (ATHIS), promovida pelo poder público, é o instrumento para disponibilizar os serviços dos arquitetos para a população de baixa renda, de forma gratuita, uma vez que o poder público remuneraria a elaboração de projetos de reformas e construções.

A ATHIS é prevista na Lei 11.888/2008, para famílias com renda até três salários-mínimos. O Orçamento da União prevê recursos para Prefeituras e Estados criarem programas ATHIS, mas a implementação no país não passa de 30 municípios.  A ampliação desse número é defendida em “Carta aos Pré-Candidatos nas Eleições de 2022”, elaborada pelo CAU Brasil e outras seis entidades de arquitetos e urbanistas.

Crescimento no mercado

O crescimento reflete os números de atividades de arquitetos e urbanistas cadastradas junto ao CAU Brasil, por meio da emissão de Registro de Responsabilidade Técnica (RRT). De 2016 a 2021, serviços de arquitetos e urbanistas cresceram quase 20%, passando de 1,4 milhão para mais de 1,7 milhão no ano passado.

Na comparação com 2015, hoje menos pessoas fizeram obras ou reformas. Ou seja, o crescimento da contratação de arquitetos e urbanistas aconteceu em um mercado retraído.

 

Contrate um arquiteto 
Dentre as 10 milhões pessoas que contrataram os serviços de arquitetos e urbanistas, principais motivos para a escolha foram: a experiência do profissional (65%), a relação custo-benefício (45%) e a indicação de amigos e parentes (39%).

Existe no país um grande potencial de crescimento da demanda por arquitetos e urbanistas. Pesquisa revelou que 73% da população considera um dia contratar serviços desses profissionais. 

O índice de satisfação com os serviços de arquitetos e urbanistas é altíssimo: 84% dos entrevistados se disseram satisfeitos ou muito satisfeitos com o trabalho realizado. Esse número aumentou bastante em relação a 2015, quando o índice de satisfação era de 78%.

 Características
A confiança e credibilidade dos arquitetos e urbanistas junto à população também aumentou. Do total de entrevistados, 69% deram notas de 8 a 10 para a atuação desses profissionais. Em 2015, esse índice era de 60% – uma diferença de nove pontos percentuais.

A população brasileira também compreende cada vez mais quais são as atribuições da profissão. Quase a totalidade dos entrevistados (96%) concorda que arquitetos e urbanistas são indispensáveis em obras e construções. 

 

As principais características associadas à profissão são: conhecimento intensivo de tecnologia, criatividade, competência, visão de futuro e bom relacionamento com o cliente.

Metodologia
A Pesquisa do Instituto Datafolha para o CAU Brasil entrevistou 2,495 homens e mulheres, economicamente ativos, com idade entre 18 e 75 anos, pertencente a todas as classes econômicas.

O levantamento foi feito com abordagem pessoal em pontos de fluxo populacional.

 

As entrevistas foram realizadas entre os dias 13 e 28 de janeiro de 2022. A pesquisa tem nível de confiança de 95% e margem de erro de dois pontos percentuais (para baixo ou para cima).

Fonte: CAU/BR

OUTRAS NOTÍCIAS

Confira retrospectiva com as principais ações do Conselho em 2023

Confira o funcionamento do CAU/GO neste final de ano

Homologação do concurso público do CAU/GO é publicada