Destaque

Conselho solicita medidas urgentes à Seplanh, para aprimorar Alvará Fácil

Na última quinta-feira, dia 30, o CAU/GO enviou um ofício à Secretaria de Planejamento Urbano e Habitação (Seplanh) solicitando medidas urgentes para o aprimoramento do sistema automatizado de aprovação de projetos implantado pela atual gestão – Alvará Fácil e Alvará + Fácil. O pedido atendeu à demanda de arquitetos e urbanistas atuantes em Goiânia e da Associação Brasileira dos Escritórios de Arquitetura (Asbea), que também assinou o documento. O Conselho solicitou que a Seplanh responda ao ofício até 14 de junho. Clique aqui para conferir o documento completo.

O CAU/GO apoia a desburocratização possibilitada pelo Sistema Fácil, porém critica a responsabilização excessiva dos arquitetos mediante as novas exigências.

Esses e outros questionamentos haviam sido, oportunamente, levados à Secretaria de Planejamento Urbano e Habitação (Seplanh). No dia 17 de maio, o Conselho se reuniu com arquitetos e urbanistas autônomos e representantes da Asbea, para discutir as críticas e sugestões para a melhoria do sistema.

Assim, as principais demandas dos arquitetos e do CAU são para que a Prefeitura:

• Garanta que o arquiteto será responsável tão somente pela documentação relativa ao trabalho técnico que desenvolve e por eventuais alterações em seu projeto;

• Desvincule os processos para obtenção do Alvará de Projeto e do Certificado de Conclusão de Obra (Habite-se), para evitar que o autor do projeto seja necessariamente responsabilizado por questões relativas à execução da obra – já que esta poderá estar sob a responsabilidade de um profissional diferente. A separação dos processos também evitará burocracia desnecessária quando da necessidade de alteração exigida pós-obra;

• Assegure que a responsabilidade do arquiteto, como autor do projeto, se encerra a partir do momento em que é emitido o Alvará liberando a construção;

• Determine que o responsável técnico da obra deve ser o responsável por modificações realizadas na fase de execução do projeto;

• Instrua a Fiscalização para que exija providências do responsável técnico para cada etapa (projeto ou construção).

Outras demandas dos arquitetos e do CAU são para que a Prefeitura:

• Possibilite a criação de dois logins para o Sistema Fácil, de forma que o arquiteto seja responsável apenas pela documentação diretamente relacionada ao seu trabalho técnico; deixando o proprietário ou contratante responsável pelo envio de seus próprios documentos, como escrituras ou certidões;

• Tal separação também se mostra necessária para garantir o papel do município de promover o adequado ordenamento territorial, conforme prevê a legislação. Conforme a Carta de Repúdio, a análise tem sido feita apenas no estágio do Habite-se, o que vem demonstrando que o processo, até o momento, está apenas postergando a burocracia e dificultando a finalização das obras, gerando grande mal-estar entre os profissionais e seus contratantes;

• Permita que o processo de aprovação aceite ajustes ou correções no projeto em tramitação;

• Retire a obrigatoriedade de anexação do arquivo editável em extensão DWG, a fim de resguardar os direitos autorais pelo projeto, prevenir eventual edição do trabalho e garantir a liberdade dos profissionais de trabalhar em qualquer programa para desenho arquitetônico;

• Garanta que os profissionais e seus contratantes tenham acesso integral ao fluxo de tramitação do processo de aprovação, dentro do ambiente digital do Sistema Fácil;

• Notifiquem os profissionais com processos em trâmite através dos contatos disponíveis no próprio processo ou no Cadastro de Atividade Econômica da Prefeitura, e não apenas via Diário Oficial, de forma a garantir a efetiva comunicação e plenas condições para que o profissional apresente as respostas necessárias.

 

 

 

OUTRAS NOTÍCIAS

Confira retrospectiva com as principais ações do Conselho em 2023

Confira o funcionamento do CAU/GO neste final de ano

Homologação do concurso público do CAU/GO é publicada